Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/91057
Title: O Ensino da Expressão Plástica no 1.º Ciclo do Ensino Básico: O Programa de Educação Estética e Artística
Authors: Mateus, Raquel Filipa Santos
Orientador: Silva, Maria Helena Lopes Damião da
Festas, Maria Isabel Ferraz
Keywords: 1.º Ciclo do Ensino Básico; Expressão plástica; Programa de Educação Estética e Artística; fruição-contemplação; interpretação-reflexão; experimentação-criação
Issue Date: 27-Feb-2020
Project: info:eu-repo/grantAgreement/FCT/SFRH/SFRH%2FBD%2F88006%2F2012/PT 
Place of publication or event: Faculdade de Psicologia e de Ciências de Educação da Universidade de Coimbra
Abstract: A área designada por educação estética e artística, materializada nas Expressões Artísticas no 1.º Ciclo do Ensino Básico, é amplamente reconhecida como fundamental na formação da pessoa, razão que justifica a defesa da sua presença nos currículos escolares desde os primeiros anos de escolaridade. De modo mais concreto, considera-se que ela proporciona uma equilibrada cultural geral, estimulando formas de comunicação específicas e desenvolvendo, entre outras capacidades, a sensibilidade, o espírito crítico e a criatividade, além de que permite a compreensão do património cultural nacional e mundial (Comissão Nacional da Unesco, 2006). Contudo, esta continua a ocupar um lugar secundário relativamente às restantes áreas curriculares, sendo realçado o seu valor instrumental, como “um meio para atingir um fim” (e.g., comemorar efemérides), em detrimento do seu valor intrínseco, como uma disciplina com linguagens e metodologias específicas. Tratando-se de uma área abrangente, de frequência obrigatória, com tempo consagrado no horário letivo e da responsabilidade do professor titular de turma, optámos por nos centrar na expressão plástica e no(s) modo(s) como esta é ensinada. Para tal, tivemos por referência o Programa de Educação Estética e Artística, de caráter facultativo, que parte do pressuposto de que a arte é uma forma de conhecimento, com características próprias, e passível de ser aprendida por todos. Consideramos, assim, que a metodologia subjacente a este Programa – estruturada em três eixos: fruição-contemplação; interpretação-reflexão; experimentação-criação – permite aos alunos adquirir aprendizagens significativas no domínio da educação estética e artística, e, simultaneamente, desenvolver capacidades de índole cognitiva, afetiva e motora. Na primeira parte desta tese, expomos os fundamentos teóricos do nosso trabalho, dedicando o capítulo 1 à arte na educação escolar, mais concretamente, aos valores que lhe estão subjacentes, às diferentes conceções que pode assumir, aos distintos modos de concretização e, por último, à forma como se tem processado no sistema educativo português. No capítulo 2, apresentamos o enquadramento normativo-legal e curricular na área da educação estética e artística no 1.º Ciclo do Ensino Básico, concetualizamos o Programa de Educação Estética e Artística, centrando-nos no subprograma Primeiro Olhar – Programa Integrado de Artes Visuais, e destacamos, ainda, a formação de professores neste domínio. Na segunda parte, reportamos a investigação empírica, apresentando os três estudos que a constituem: 1.º) pretendeu conhecer e comparar conceções de educação estética e artísica de professores com e sem formação no Programa de Educação Estética e Artística; 2.º) procurou compreender como é planificado e concretizado o ensino da expressão plástica, e simultaneamente, verificar se existem diferenças entre os Agrupamentos de Escolas que adotam o Programa e aqueles que não o adotam; 3.º) centrou-se no ensino da expressão plástica através do Programa de Educação Estética e Artística, de forma a comparar a aprendizagem de conceitos subjacentes ao ensino da expressão plástica, em turmas que adotaram o Programa e turmas que não o adotaram. Os dados obtidos foram tratados através da técnica de análise de conteúdo e permitiram-nos tirar as seguintes conclusões: i) os professores com formação no Programa, em comparação com os que não tiveram essa formação, encontram-se mais sensibilizados para esta temática, salientando a estética e o culto do belo como parte da educação artística, bem como a necessidade de integrar estes conceitos nas práticas de ensino; ii) a planificação no âmbito da expressão plástica é muito vaga, confusa (por utilizar uma diversidade de designações) e valoriza, essencialmente, o saber-fazer; iii) tal como acontece na planificação, o ensino da expressão plástica é, sobretudo, centrado no saber-fazer, privilegiando a aplicação de técnicas expressivas; iv) não existem diferenças, quer em termos de planificação, quer em termos de ensino, entre os Agrupamentos que adotam o Programa e aqueles que não adotam; v) os alunos pertencentes a turmas nas quais foram desenvolvidas sessões de educação estética e artística, em comparação com aqueles que não tiveram qualquer tipo de intervenção, apresentam um discurso mais elaborado, no qual se podem detetar vários dos conceitos trabalhados ao longo do ano. Por fim, e após a discussão dos dados obtidos, apresentamos as considerações finais, onde constam as potencialidades e limitações do estudo, e as sugestões para futuras investigações.
Description: Tese no âmbito do Doutoramento em Ciências da Educação na especialidade de Organização do Ensino, Aprendizagem e Formação de Professores apresentada à Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação
URI: http://hdl.handle.net/10316/91057
Rights: openAccess
Appears in Collections:UC - Teses de Doutoramento
FPCEUC - Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat
O Ensino da Expressão Plástica.pdf3.45 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

23
checked on Nov 30, 2020

Download(s)

15
checked on Nov 30, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.