Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/87531
Title: O Estado de negação e o presente-futuro do antirracismo: discursos oficiais sobre racismo, ‘multirracialidade’ e pobreza em Portugal (1985-2016)
Authors: Rodríguez Maeso, Silvia 
Keywords: Antirracismo; Estado; Negação do racismo; Pobreza; Portugal; Anti-racism; State; Denial of racism; Poverty; Portugal
Issue Date: 2019
Publisher: UERJ
Project: PTDC/IVC-SOC/1209/2014 - POCI-01-0145-FEDER-016806 
PD/BD/114056/2015 
Serial title, monograph or event: Revista Direito e Práxis
Volume: 10
Issue: 3
Place of publication or event: Rio de Janeiro
Abstract: Este artigo analisaa interrelaçãoentre a produção de imagens da nação portuguesa como “multirracial” – uma nação homogénea através da miscigenação – e a negação do racismo por parte do Estado português: a repetiçãoda imagem de Portugal como uma país não-racista, mas simtolerante. Esta análise centrar-se-á nos discursos de representantes oficiais do Estado português, em particular na esfera parlamentar,e em relatórios produzidos como justificação do estado do (anti)racismo em diversos contextos institucionais e no seguimento da assinatura de tratados internacionais, desde meados da década de 1980. Considero estas narrativas como um arquivoda institucionalização da negação do racismoem Portugal, em cumplicidade com o trabalho académico. Este Estado de negação revelará noções hegemónicas sobre raça e racismo, assim como a legitimação de interpretações sobre a situação das populações racializadas, principalmente em relação à situação socioeconómica. O racismo é silenciado a favor de certas narrativas sobre a pobreza, resultando numa pretensa abordagem universalistadas políticas públicas. Não obstante, estas narrativas têm sido desafiadas pelos movimentos antirracistas, que reclamam outro tipo de ação política e traçam contranarrativas que não só interpelam o Estado, mas também alguns setores da esquerda progressista. Estas contranarrativas sugerem caminhos para repensar o presente futuro do antirracismo e, em particular, para a análise e o debate público sobre o poder branco.
This article analyzes the interrelation between the production of images of the Portuguese nation as “multiracial” – a homogenous nation through miscegenation – and the denial of racism by the Portuguese State: the repetitionof the image of Portugal as a non-racist country, but rather tolerant. This analysis will focus on the discourses of official representatives of the Portuguese State, particularly in the parliamentary sphere, and on reports submitted as accountability for the state of (anti-)racism in various institutional contexts and following the signing of international treaties, since the 1980s. I consider these narratives as an archive of the institutionalization of the denial of racism in Portugal, in complicity with the academic work. This State of denial will reveal hegemonic notions about race and racism, as well as the legitimation of interpretations on the situation of racialized populations, especially in relation to their socio-economic situation. Racism is silenced in favor of certain narratives about poverty, resulting in an alleged universalist approach to public policy. Nonetheless, these narratives have been challenged by anti-racist movements, which demand a different kind of political action and articulate counter-narratives that not only challenge the State, but also some sectors of the progressive left. These counter-arguments suggest ways to rethink the present future of anti-racism and, in particular, for the analysis and public debate on white power.
URI: http://hdl.handle.net/10316/87531
ISSN: 2179-8966
DOI: 10.1590/2179-8966/2019/43883
Rights: openAccess
Appears in Collections:I&D CES - Artigos em Revistas Internacionais

Files in This Item:
File Description SizeFormat
O Estado de negacao e o presente-futuro do antirracismo.pdf1.07 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Google ScholarTM

Check

Altmetric

Dimensions


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons