Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/588
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorMonteiro, Ofélia Paiva-
dc.contributor.advisorCoulet, Henri-
dc.contributor.authorDomingues, João da Costa-
dc.date.accessioned2008-12-05T15:01:58Z-
dc.date.available2008-12-05T15:01:58Z-
dc.date.issued2004-03-24en_US
dc.identifier.citationDOMINGUES, João da Costa - O "diálogo dos mortos" de d'Ablancourt a Voltaire. Coimbra, 2003.-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10316/588-
dc.descriptionTese de doutoramento em Letras, na área de Línguas e Literaturas Modernas (Cultura Francesa) apresentada à Fac. de Letras da Univ. de Coimbra-
dc.description.abstractO estudo do “diálogo dos mortos” nos séculos XVII e XVIII em França – articulando uma poliédrica informação, de ordem histórico-cultural e literária, exigida pela índole mesma dos textos, bem como a sua necessária integração na abundante produção do “diálogo”, nessa mesma época – implicou uma atenção preliminar a ao diálogo enquanto forma escrita, frequentemente erigida em forma literária, observando qual a sua génese, em que domínios vigorou, enfim que finalidades presidiram à prática dessa forma, utilizada nos mais diferentes campos teóricos e ideológicos e integrada em circuitos de comunicação variados, efectivamente favorecida por um ambiente social em que era valorizada e praticada a conversação, “le plaisir le plus doux de la vie raisonnable et le plus grand livre du monde”. Multiforme e de nível muito desigual, o “diálogo dos mortos”, mais ou menos fiel à matriz lucianesca original, desenvolveu conteúdos que aduzem esclarecimentos relevantes sobre o pensamento, a sensibilidade, as práticas sociais, culturais e literárias, e até sobre os acontecimentos daquela época. Verdadeiro monumentum do tempo que considerámos, este veículo cultural foi também um excelente campo de debate de ideias e um poderoso motor de divulgação de conhecimentos; manifestando-se frequentemente em textos de publicação anónima e clandestina, revela muitas vezes a feição mais irreverente do pensamento da época, procurando fazer germinar na audiência o que hoje designamos por “opinião pública”. Situado na fronteira entre o que seria literatura, história, panfleto ideológico, produção marginal, o “diálogo dos mortos” teve, pois, para além do seu pequeno lugar na prática literária, uma função de verdadeiro agente na conformação das mentalidades.en_US
dc.language.isoporpor
dc.rightsembargoedAccesseng
dc.subjectCultura Francesaen_US
dc.subjectDiálogo -- literatura francesa -- séc. 17-18en_US
dc.titleO "diálogo dos mortos" de d'Ablancourt a Voltaireen_US
dc.typedoctoralThesisen_US
item.grantfulltextopen-
item.languageiso639-1pt-
item.fulltextCom Texto completo-
crisitem.author.deptFaculdade de Letras, Universidade de Coimbra-
crisitem.author.researchunitCentre of Portuguese Literature-
crisitem.author.orcid0000-0001-9762-2196-
Appears in Collections:FLUC Secção de Línguas Românicas - Teses de Doutoramento
Files in This Item:
File Description SizeFormat
Ficheiro_temporario.pdf8.8 kBAdobe PDFView/Open
Show simple item record

Page view(s)

123
checked on Sep 11, 2019

Download(s)

62
checked on Sep 11, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.