Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/48044
Title: Processamento emocional :|binfluência de variáveis demográficas
Authors: Abreu, Ana Carolina Canteiro 
Orientador: Santana, Maria Isabel Jacinto
Cunha, Catarina
Keywords: Ajustamento emocional; Neurologia; Dados demográficos
Issue Date: Mar-2012
Abstract: Introdução: A perceção e expressão emocional são funções básicas na modelação do comportamento e da interação social. Existem atualmente evidências de que algumas patologias neurológicas e psiquiátricas interferem com a capacidade de percecionar emoções, no entanto, não se conhece com clareza a influência de variáveis demográficas nesta mesma função. Não obstante, para a variável idade existem estudos que afirmam que aquando do processamento de expressões faciais, adultos jovens e idosos ativam diferentes redes corticais, sugerindo-se que exista uma reorganização relacionada com a idade na discriminação da expressão facial. Na População Portuguesa ainda não existem provas normalizadas para estudar esta capacidade. Objetivo: Analisar a influência de variáveis demográficas como a idade, a escolaridade e o género, na capacidade de perceção emocional numa amostragem por conveniência, obtida na comunidade em indivíduos de nacionalidade portugueses, saudáveis. Determinar valores normativos preliminares para o reconhecimento emocional na população portuguesa. Material/Métodos: Participaram no estudo 96 adultos saudáveis, com idades compreendidas entre 15 e 61 anos, com habilitações académicas variando entre o ensino básico, ensino secundário e o ensino superior, com uma distribuição equivalente entre os géneros. Para o estudo da perceção emocional foi utilizada a bateria computorizada Comprehensive Affect Testing System – CATS que avalia as seis emoções básicas, via expressão facial e prosódia. Para a análise dos dados recorreremos ao software estatístico Statisical Package for Social Science – SPSS. Resultados: A variável idade está associada a alterações na perceção emocional, sugerindo-se, que o grupo etário dos 31-45 anos é o que apresenta melhor desempenho em tarefas de processamento emocional em termos globais. Relativamente às emoções básicas apenas se encontraram diferenças na perceção da emoção "Alegria", tendo o grupo etário dos 15-30 anos obtido a pior prestação e o dos 31-45 anos o melhor desempenho. No que respeita à escolaridade, a tarefa mais influenciada por esta variável foi a prosódia, sendo o grupo com escolaridade básica (1-9 anos) o que o que apresentou pior desempenho nestas tarefas. Observaram-se, também diferenças significativas na perceção da emoção “Raiva” tendo o grupo com escolaridade superior (≥13 anos) obtido melhores desempenhos do que o de escolaridade básica. Não foram encontradas diferenças estatisticamente significativas entre o desempenho nas provas do CATS e a variável género. São apresentados os valores normativos preliminares no desempenho no CATS de acordo com as variáveis idade e escolaridade. Discussão/Conclusão: A idade e a escolaridade parecem modelar o processamento emocional sendo que a variável idade é que mais influencia o desempenho no CATS e não se observaram diferenças de género nestas tarefas. Aquelas variáveis foram selecionadas para a definição dos dados normativos.
Description: Trabalho final de mestrado integrado em Medicina área cientifica de Neurologia, apresentado á Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/48044
Rights: openAccess
Appears in Collections:FMUC Medicina - Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Trabalho final final.pdf740.65 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 20

589
checked on Dec 11, 2019

Download(s)

87
checked on Dec 11, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.