Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/43574
Title: Entre a marginalização e a securitização: jovens e violências em Cabo Verde e na Guiné-Bissau
Authors: Roque, Sílvia 
Cardoso, Katia 
Keywords: Jovens; Violências; Marginalização; Securitização; Youth; Violences; Marginalisation; Securitisation
Issue Date: 2013
Publisher: Universidade de Santiago
Project: info:eu-repo/grantAgreement/FCT/3599-PPCDT/71908/PT 
info:eu-repo/grantAgreement/FCT/SFRH/SFRH/BD/36589/2007/PT 
info:eu-repo/grantAgreement/FCT/SFRH/SFRH/BD/44906/2008/PT 
Serial title, monograph or event: Revista Cabo-verdiana de Ciências Sociais
Volume: 1
Issue: 1
Place of publication or event: Cidade de Assomada
Abstract: A progressiva crença na obsolescência da guerra no contexto pós Guerra Fria tem contribuído para a ocultação dos processos estruturais que se perpetuam e que reproduzem as desigualdades e a marginalização ao nível global e que se constituem como e provocam violência. Ignora-se frequentemente que, perante a ausência de guerra, os meios e instrumentos de promoção e materialização da violência se trasladam para outras expressões, escalas ou actores. A partir dos casos da Guiné-Bissau e de Cabo Verde, este artigo pretende colocar em causa a separação estanque entre a guerra e a paz e sugerir que esta última pode ser um projecto igualmente violento, que se manifesta nomeadamente através do controlo dos jovens, quer através do poder exercido pelas elites em Estados periféricos, quer pelo mercado da pobreza e da insegurança à escala global. Defendemos que o grau de aceitação ou rejeição da marginalização e dependência como destino social, pelos jovens, é um factor essencial para a contenção ou promoção da violência colectiva. Ora, num contexto de consolidação de um conjunto de políticas e instituições internacionais destinadas a manter a segurança das elites globais, parecem cada vez mais reduzidas as possibilidades não violentas de reivindicação de um estatuto valorizado pelos jovens.
The growing belief in war’s obsolescence in the post Cold War context favoured the occultation of remaining structural processes that reproduce inequalities and marginalisation at the global level. These processes constitute themselves as violence as they also produce violence. It is though frequently ignored that in the absence of war, the means and instruments that promote and consubstantiate violence are transferred to other manifestations, scales, and actors. Taking in to consideration the cases of Guinea Bissau and Cape Verde, this article intends to question the strict distinction between war and peace, suggesting that peace can also be an equally violent project, expressed through the control of youth, be that through the power exercised by elites in peripheral states, or through the poverty and insecurity market at a global scale. We argue that the degree in which marginalisation and dependency are accepted or contested by the youth as social destiny is a crucial determinant in containing or promoting collective violence. In the context of consolidation of a bulk of international policies and institutions aimed at keeping global elite’s security, it seems that the possibilities for non violent forms of youth’s vindication for a valued social status are less and less reduced.
URI: http://hdl.handle.net/10316/43574
ISSN: 2309-9712
Rights: openAccess
Appears in Collections:I&D CES - Artigos em Revistas Internacionais

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Entre a marginalização e a securitização_RCVCS.pdf825.93 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 50

429
checked on Oct 15, 2019

Download(s)

121
checked on Oct 15, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.