Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/41834
Title: Carência de iodo : um problema de saúde pública
Authors: Almeida, Filipe Miguel Falcão Félix de 
Orientador: Carvalheiro, Manuela
Carrilho, Francisco
Keywords: Iodo; Endocrinologia
Issue Date: Mar-2013
Abstract: O iodo é um nutriente com uma distribuição geográfica irregular mas, como substrato das hormonas tiroideias, é imprescindível para a regulação do metabolismo e, sobretudo, para a consolidação do neurodesenvolvimento. Assim, facilmente surgem situações de carência de iodo, que trazem repercussões para a saúde pública. Estas formam um espetro, que vai desde o atraso mental pronunciado a ligeiras, mas significativas, alterações no desenvolvimento. As grávidas representam o subgrupo populacional mais vulnerável e têm necessidades aumentadas de iodo, para manutenção da sua função tiroideia e correto desenvolvimento fetal. As crianças são também um grupo vulnerável. As necessidades diárias de iodo encontram-se bem estabelecidas, assim como os instrumentos de aferição da nutrição em iodo. Dois mil milhões de pessoas em todo o mundo têm carência de iodo. As regiões mais afetadas são a África Subsaariana e o Sudeste Asiático, mas existe uma prevalência significativa de carência de iodo ligeira a moderada na Europa, incluindo em Portugal. Tendo em contas as potenciais consequências e a eficácia dos mecanismos de controlo, está recomendado proceder à iodização universal do sal para consumo. Aos subgrupos populacionais mais vulneráveis deve ser recomendada suplementação adicional. Implementar programas de intervenção é, portanto, vantajoso, principalmente se houver monitorização periódica. Esta permite avaliar a qualidade dos resultados e otimizar o aporte de iodo.
Iodine is irregularly present throught the world but, as a key ingredient of thyroid hormones, it influences metabolism and neurodevelopment to a great degree. Therefore, iodine deficiency is quite common, along with its repercussions for public health. These form a spectrum, ranging from severe mental retardation to mild, although significant, developmental abnormalities. Pregnant women are at the highest risk, since their requirements of iodine increase in order to mantain thryoid function and ensure proper fetal development. Children are also quite vulnerable. Daily iodine requirements are well established, as are iodine deficiency assessment methods. Globally, two billion people have iodine deficiency. Subsaharan Africa and Southeast Asia are the most affected regions, but a significant proportion of Europeans have mild to moderate iodine deficiency and Portugal is no exception. Weighing the potential consequences against the effectiveness of the preventivion strategies available, universal salt iodization is strongly recommended. Special attention should be given to vulnerable groups, by means of additional supplementation. Intervention programmes are especially useful if they go hand in hand with a monitoring system. This strategy allows the people involved to assess the quality of the intervention and to optimise iodine intakes
Description: Trabalho final de mestrado integrado em Medicina área cientifica de Endocrinologia, apresentado á Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/41834
Rights: openAccess
Appears in Collections:FMUC Medicina - Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
TESE-CAPA-FILIPE.pdf69.14 kBAdobe PDFView/Open
Tese Filipe.pdf1.09 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 20

467
checked on Sep 18, 2019

Download(s) 50

432
checked on Sep 18, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.