Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/32784
Title: Avaliação da ferida crónica
Authors: Lourenço, Maria Clara Paulo 
Orientador: Ferreira, Pedro Lopes
Rodrigues, Alexandre Marques
Keywords: Cicatrização fisiológica; Ferida crónica; Instrumentos de medida,; Escala RESVECH 2.0 e EQ-5D-5L
Issue Date: 26-Sep-2016
Publisher: FEUC
Serial title, monograph or event: Avaliação da ferida crónica
Place of publication or event: Coimbra
Abstract: A proliferação de instrumentos de medida na área das feridas parece demonstrar a necessidade de os profissionais de saúde avaliarem o efeito das suas intervenções. Para avaliar a evolução de Feridas Crónicas (FC), deve ser aplicada uma escala objetiva que permita aos profissionais verificarem se o tratamento usado é o adequado e se o processo de evolução da ferida está a conduzir à sua cicatrização (Baranoski & Ayelo, 2005). Por isso, é necessário escolher um método fiável e seguro que permita uma verdadeira continuidade de cuidados, baseada em dados fidedignos (Bajay et al., 2003). Assim, procurou-se, numa fase inicial, conhecer as escalas de medida que existem para avaliar a evolução das FC. Das escalas existentes, verificou-se que a escala RESVECH 2.0 seria a que melhor se enquadrava na atividade diária dos enfermeiros, nos hospitais que cuidam de doentes oncológicos com FC. O objetivo geral do estudo foi avaliar o perfil clínico de uma amostra de indivíduos com FC, numa instituição oncológica, através da escala RESVECH 2.0. Pretendemos também, caraterizar o perfil sociodemográfico de um doente oncológico com FC, validar o instrumento de trabalho RESVECH 2.0 e avaliar a qualidade de vida (QV) desses indivíduos, através da escala EQ-5D-5L. Para validar a escala RESVECH 2.0 adaptando-a à população portuguesa, foi realizado um estudo quantitativo correlacional no Instituto Português de Oncologia do Centro Francisco Gentil, Empresa Pública do Estado (IPOCFG, EPE), em doentes oncológicos e com FC. Para este estudo foram utilizados os instrumentos de medida RESVECH 2.0, BWAT e EQ-5D-5L. Os dados recolhidos foram tratados estatisticamente, através do programa Stastistical Package for the Social Sciences (SPSS) – versão 22 para Windows. Foi solicitada a autorização ao CEISUC para a utilização da escala de RESVECH 2.0 que já se encontra traduzida e adaptada à população Portuguesa (artigo em elaboração), da escala BWAT (versão portuguesa) e da escala EQ-5D-5L (versão portuguesa) que já se encontram validadas para a população portuguesa. Formalizou-se o pedido ao Conselho de Administração do IPOCFG, EPE e à Comissão de Ética para realização do estudo com os instrumentos de recolha de dados selecionados. A amostra foi constituída por 218 indivíduos portadores de várias FC. Foram avaliadas 281 FC, que na sua maioria se localizam na cabeça e pescoço, nos membros inferiores e na região abdominal. Na sua maioria, os indivíduos são eutróficos e apresentam em média de 3,1 de comorbilidades. Grande parte dos indivíduos que integraram esta amostra referiram ter concluído apenas o 1º Ciclo de escolaridade. A escala RESVECH 2.0, segundo Medrano & Soriano (2012), é uma ferramenta eficaz que representa um instrumento de avaliação e registo para o controlo das FC. Esta é uma ferramenta prática, de fácil utilização e com boa aceitabilidade, pelo que poderá ser adotada pelos enfermeiros para avaliação de todas as etiologias de feridas. Mediante a sua aplicação, validou-se a escala com critérios fiabilidade, registando-se uma boa consistência interna, com um alfa de Cronbach para o primeiro observador de 0,735 e, para o segundo observador, de 0,741. Obteve-se também um coeficiente de correlação intercalasses (ICC) muito forte, de 0,979. Para os itens dicotómicos da escala obteve-se um coeficiente de concordância de Kappa, que varia entre 0,78 e 0,96. Concluímos, ainda, que não existem diferenças estatisticamente significativas entre sexos, ou entre diferentes níveis de escolaridade. Contudo, à medida que a idade e as comorbilidades aumentam, também aumenta o score da escala RESVECH 2.0. Comparando-se a escala RESVECH 2.0 com a escala BWAT, verificou-se a existência de uma correlação estatisticamente significativa, positiva e forte e comparando-a com a escala EQ-5D-5L, registou-se, também, uma diferença estatisticamente significativa, em todas as dimensões, a qual aumenta nas pessoas com outros problemas para além das FC.
Description: Dissertação de mestrado em Gestão e Economia da Saúde (Enfermagem), apresentada à Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, sob a orientação de Pedro Lopes Ferreira e Alexandre Marques Rodrigues.
URI: http://hdl.handle.net/10316/32784
Rights: openAccess
Appears in Collections:FEUC- Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
dissertação final com correções (1).pdf1.87 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 5

1,546
checked on Dec 4, 2019

Download(s) 10

1,685
checked on Dec 4, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.