Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/31730
Title: Defeito cognitivo ligeiro:análise comparativa dos resultados nos testes de recordação selectiva livre e guiada (TRSLG), memória lógica (ML, WMS-III) e memória visuo-espacial (TBMV-VR)
Authors: Bernardino, Sandra Isabel Teixeira 
Orientador: Simões, Mário Rodrigues
Santana, Isabel
Keywords: Defeito cognitivo ligeiro; Memória episódica; Doença de Alzheimer; Teste de Recordação Seletiva Livre e Guiada; Memória Lógica; Teste Breve de Memória Visuo-espacial.
Issue Date: 2015
Serial title, monograph or event: Defeito cognitivo ligeiro:análise comparativa dos resultados nos testes de recordação selectiva livre e guiada (TRSLG), memória lógica (ML, WMS-III) e memória visuo-espacial (TBMV-VR)
Place of publication or event: Coimbra
Abstract: O Defeito Cognitivo Ligeiro amnésico (DCL-A) é uma entidade de risco para o desenvolvimento de demência, particularmente de Doença de Alzheimer (DA). A identificação precoce de défices cognitivos tem recebido considerável destaque na literatura, nomeadamente a distinção entre alterações de memória relacionadas com o envelhecimento fisiológico e com o “envelhecimento patológico”. Assim, é fundamental a identificação de instrumentos de avaliação neuropsicológica com elevada acuidade de diagnóstico. Embora não exista uma indicação consensual de um instrumento de avaliação específico para o diagnóstico de DCL, o International Working Group on Alzheimer’s Disease (2007) propôs a utilização do Teste de Recordação Seletiva Livre e Guiada (TRSLG) para avaliar a memória episódica na DA e nas patologias do seu espectro. Objetivos: Comparar as propriedades psicométricas e a acuidade classificatória de três instrumentos de avaliação da memória episódica - Teste de Recordação Seletiva Livre e Guiada (TRSLG), Memória Lógica (ML; WMS-III) e Teste Breve de Memória Visuo-espacial – Versão Revista (TBMV-VR), num grupo de sujeitos com, diagnóstico prévio, de DCL-A. Metodologia: A amostra integra 60 sujeitos com DCL-A avaliados com uma bateria neuropsicológica extensa que incluiu o TRSLG, a ML e o TBMV-VR. Foram analisadas a fiabilidade e validade convergente das pontuações nos três instrumentos e comparou-se a sua capacidade classificatória. O desempenho dos sujeitos foi estandardizado de acordo com o respectivo grupo normativo e foi considerada a presença de defeito de memória quando os resultados foram ≤ 1,5 desvios-padrão do intervalo normativo. Além disso, para cada instrumento foram consideradas quatro medidas equivalentes: evocação imediata (EI), aprendizagem (AP), evocação diferida (ED) e capacidade de retenção (RT). Resultados: Os três instrumentos revelaram bons índices de consistência interna e, no geral, de validade convergente. O TRSLG foi significativamente melhor na classificação dos sujeitos com defeito de memória, comparativamente com todas as medidas da ML e do TBMV-VR. Especificamente a EI foi a medida que permitiu identificar mais sujeitos com desempenho alterado (45%), seguindo-se a RT (42%). No TBMV-VR e na ML as medidas que permitiram classificar mais sujeitos com desempenho alterado foram a RT (18%; 15% respectivamente) e a ED (15%; 13% respectivamente), mas a sua acuidade foi substancialmente inferior à do TRSLG. Conclusões: O TRSLG mostrou ser o instrumento mais útil na classificação de DCL-A comparativamente com a ML e com o TBMV-VR que têm subjacentes diferentes paradigmas de codificação e recuperação. Apenas cerca de metade dos sujeitos do grupo clínico foram classificados com defeito de memória independentemente do teste em análise. Como justificação aponta-se a a diferença de acuidade avaliativa dos três instrumentos e a heterogeneidade dos doentes deste grupo,que tem subjacente a controvérsia em torno da definição e conceito de DCL.
Amnestic Mild Cognitive Impairment (aMCI) represents an increased risk for the development of dementia, particularly Alzheimer's disease (AD). Early identification of cognitive deficits has received a considerable emphasis in the literature, specifically the distinction between memory changes associated with normal aging and pathological aging. To this end, it is critical to identify neuropsychological assessment tools with high accuracy for the diagnosis. Although there’s not a consensual suggestion of a specific evaluation instrument for the diagnosis of MCI, the International Working Group on Alzheimer's Disease (2007) proposed the use of Free and Cued Selective Reminding Test (FCSRT) to assess episodic memory impairment in AD and its spectrum conditions. Objectives: To compare the psychometric properties and classification accuracy of three memory tests – Free and Cued Selective Reminding Test (FCSRT), Logical Memory (WMS-III) and Brief Visuospatial Memory Test - Revised (BVMT-R), in a group of subjects with a previous diagnosis of aMCI. Methods: The sample includes 60 subjects with aMCI assessed with an extensive neuropsychological battery which included FCSRT, LM and BVMT-R. The scores of these three instruments were analyzed regarding their reliability and convergent validity and were compared regarding their classification capacity. The performance of the subjects was standardized according to the respective normative group and it was considered the presence of memory defect when the results were ≤ 1.5 standard deviations from the normative range. In addition, for each instrument four equivalent measures were considered: immediate recall (IR), learning capacity (LC), delayed recall (DR) and retention capacity (RC). Results: The three instruments showed good levels of internal reliability and, in general, convergent validity. FCSRT performed significantly better in the classification of subjects with memory impairment compared to all measures of LM and BVMT-R. Specifically, the IR measure of the FCSRT allowed the identification of most of the subjects with abnormal performance (45%), followed by RC (42%). Concerning BVMT-R and LM, the measures that allowed the highest identification rate of subjects with a poor performance were RC (18%; 15% respectively) and DR (15%; 13% respectively), but their accuracy was substantially lower than the FCSRT. Conclusions: The FCSRT proved to be the most useful tool for the classification of aMCI compared with the LM and the BVMT-R, which have different underlying paradigms regarding encoding and retrieval. Only about a half of the subjects from the clinical group were classified with memory impairment regardless of the test in question. The justification is associated with the difference between evaluative acuity difference of the three instruments and heterogeneity of subjects in this group, underlying the controversy about the MCI definition and concept
Description: Dissertação de mestrado em Psicologia Clínica e Saúde (Psicogerontologia Clínica), apresentada à Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra.
URI: http://hdl.handle.net/10316/31730
Rights: openAccess
Appears in Collections:FPCEUC - Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Dissertação Sandra Isabel T.Bernardino.pdf811.64 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 20

525
checked on Sep 17, 2019

Download(s) 50

325
checked on Sep 17, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.