Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/24282
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorAlbuquerque, Sara-
dc.contributor.authorPereira, Marco-
dc.contributor.authorFonseca, Ana-
dc.contributor.authorCanavarro, Maria Cristina-
dc.date.accessioned2013-09-27T17:11:42Z-
dc.date.available2013-09-27T17:11:42Z-
dc.date.issued2013-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10316/24282-
dc.description.abstractO objetivo do presente estudo consistiu em avaliar a adaptação parental, em termos de sintomatologia psicopatológica e qualidade de vida (QdV), bem como avaliar a influência das características de resiliência parental na sua adaptação, bem como na adaptação do(a) parceiro(a). A amostra foi constituída por 90 participantes (45 casais), pais de crianças com um diagnóstico de deficiência/AC. O protocolo de avaliação incluiu a Escala de Resiliência para Adultos (ERA), o Inventário de Sintomas Psicopatológicos (BSI-18) e o instrumento de avaliação de QdV da Organização Mundial de Saúde, WHOQOL-Bref. Os resultados mostraram que as mães apresentaram valores mais elevados na dimensão ansiedade (p <. 01), no índice geral de gravidade (p < .01) e pior QdV psicológica (p < .05). As mães apresentaram valores mais elevados de resiliência, em particular de coesão familiar (p < .05). Em ambos os pais, a resiliência mostrou-se associada a menor sintomatologia psicopatológica e a resultados mais elevados de QdV. A resiliência materna não se mostrou significativamente associada à adaptação paterna mas, constatou-se que níveis elevados de resiliência paterna se associaram a menor sintomatologia psicopatológica e melhor QdV materna. Os resultados deste estudo evidenciam o papel protetor da resiliência na adaptação parental ao diagnóstico de anomalia congénita da criança. Adicionalmente, estes resultados enfatizam a necessidade de avaliar e promover os recursos parentais. Por fim, ressalta-se a necessidade de avaliação do casal como unidade de análise e os potenciais efeitos cruzados no desenho de intervenções terapêuticas, reforçando-se o papel da relação conjugal e do contexto interpessoal em que esta problemática ocorre.por
dc.language.isoporpor
dc.publisherISPApor
dc.rightsopenAccesspor
dc.subjectDeficiênciapor
dc.subjectResiliênciapor
dc.subjectQualidade de vidapor
dc.subjectSintomatologia psicopatológicapor
dc.titleQualidade de vida e sintomatologia psicopatológica em pais de crianças com diagnóstico de deficiência/anomalia congénita: A importância das características de resiliênciapor
dc.typearticlepor
degois.publication.firstPage171por
degois.publication.lastPage184por
degois.publication.issue2por
degois.publication.titleAnálise Psicológicapor
dc.peerreviewedYespor
degois.publication.volume31por
item.fulltextCom Texto completo-
item.languageiso639-1pt-
item.grantfulltextopen-
crisitem.author.researchunitCenter for Research in Neuropsychology and Cognitive Behavioral Intervention-
crisitem.author.researchunitCenter for Research in Neuropsychology and Cognitive Behavioral Intervention-
crisitem.author.researchunitCenter for Research in Neuropsychology and Cognitive Behavioral Intervention-
crisitem.author.orcid0000-0003-0687-1352-
crisitem.author.orcid0000-0002-6086-2329-
crisitem.author.orcid0000-0003-1395-1406-
crisitem.author.orcid0000-0002-5083-7322-
Appears in Collections:FPCEUC - Artigos em Revistas Nacionais
I&D CINEICC - Artigos em Revistas Nacionais
Files in This Item:
File Description SizeFormat
2013 Qualidade de vida e sintomatologia psicopatológica em pais crianças DAC.pdf85.81 kBAdobe PDFView/Open
Show simple item record

Page view(s) 20

694
checked on Aug 5, 2020

Download(s)

134
checked on Aug 5, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.