Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/23921
Title: Design, synthesis and structure-activity relationships studies on steroidal aromatase and 5α-reductase inhibitors as anti-tumors
Authors: Varela, Carla 
Orientador: Silva, Elisiário
Roleira, Fernanda
Teixeira, Natércia
Keywords: Esteróides; Cancro de mama; Aromatase; Inibidores da aromatase; Cancro de próstata; Hiperplasia benigna da próstata; 5α-reductase; Inibidores da 5α-reductase; Design e síntese; Relações estrutura-atividade; Cumarinas
Issue Date: 10-Dec-2013
Citation: VARELA, Carla Lopes - Design, synthesis and structure-activity relationships studies on steroidal aromatase and 5α-reductase inhibitors as anti-tumors. Coimbra : [s.n.], 2013. Tese de doutoramento. Disponível na WWW: http://hdl.handle.net/10316/23921
Abstract: O cancro é dos problemas de saúde pública com maior incidência a nível mundial. Dos diferentes tipos de cancro, o cancro de mama e da próstata são dos mais frequentemente diagnosticadas na Mulher e no Homem, sendo que um número significativo deles são hormono-dependentes. O cancro de mama é das doenças mais comuns nas mulheres e constitui a principal causa de morte por cancro na população feminina, em todo o mundo. Desde há muito que se sabe que a maioria deste tipo de cancro depende de estrogénios, para o seu desenvolvimento e crescimento. Entre as diversas opções terapêuticas disponíveis, a terapia endócrina de controlo da produção de estrogénios tem sido o princípio orientador seguido durante mais de um século. Na biossíntese de estrogénios existe a enzima aromatase e a sua inibição constitui uma forma muito eficiente de tratar esta doença. Atualmente, tem-se observado uma evolução significativa no desenvolvimento dos inibidores da aromatase. A recente elucidação da estrutura cristalina 3D da enzima constitui um importante ponto de viragem, já que esclareceu as bases estruturais para a especificidade da interação da enzima com o seu substrato. Este esclarecimento mostrou que se estabelecem ligações de hidrogénio entre os átomos de oxigénio dos grupos carbonilo em C-3 e C-17 e resíduos específicos de aminoácidos, no local ativo da enzima. Para além disso, também foi observado que cadeias lineares posicionadas em C-6 de alguns inibidores esteróides se projetam para o interior de um canal de acesso à enzima, imobilizando os resíduos catalíticos. Esta nova informação revelou-se muito útil na tentativa de se compreender o mecanismo de inibição da aromatase e também no desenvolvimento de moléculas promissoras capazes de ultrapassarem algumas das principais desvantagens dos inibidores da aromatase em uso, como sejam, os efeitos secundários relacionados com a perda de massa óssea, dores articulares e problemas cardíacos, bem como a resistência adquirida, que estes tendem a desenvolver após alguns anos de utilização. Neste trabalho estivemos interessados no design, na síntese e na avaliação biológica da atividade inibidora da aromatase de compostos esteróides obtidos por modificações estruturais nos anéis A, B e D da androstenodiona, o substrato natural da enzima. As características determinantes para que estes compostos sejam potentes inibidores foram elucidadas com base nos resultados obtidos. Sabe-se que a aromatase estabelece duas ligações de hidrogénio principais com os átomos de oxigénio das funções carbonilo em C-3 e C-17 da androstenodiona. Estudos anteriores revelaram que, apesar disso, a presença do grupo carbonilo em C-3 não é absolutamente essencial para que a molécula se ligue à enzima. Por outro lado, o grupo em C-17 parece ter um papel predominante na atividade inibitória da aromatase. Desta forma, decidimos transformar o grupo carbonilo de C-3 num grupo hidroxilo. Das moléculas estudadas, observámos que os derivados C-3 hidroxilados são inibidores bastante potentes, especialmente se o grupo hidroxilo assumir a estereoquímica 3β. A alteração de ambos os grupos carbonilo em C-3 e C-17 levou, por seu turno, a uma diminuição muito significativa da atividade. Estes resultados permitiram estabelecer que, de facto, não é essencial a existência de um grupo carbonilo em C-3 num esteróide para que este seja um potente inibidor, desde que exista um outro destes grupos em C-17. De acordo com resultados apresentados na literatura, revelou-se necessário a existência de alguma planaridade no anel A e na junção dos anéis A,B, para que os compostos esteróides inibam a enzima. Assim, sintetizámos novos inibidores da aromatase e comparámos a influência que as funções, dupla ligação e epóxido, tinham quando ocupavam diferentes posições do anel A. Perante os resultados obtidos, verificou-se que, quando a dupla ligação estava na posição 4,5, o composto apresentava maior atividade, reforçando a importância da planaridade na posição mais próxima da junção dos anéis A,B. Todavia, para a série dos epóxidos, o derivado 3,4 mostrou ser o inibidor mais ativo, o que levantou a hipótese do oxigénio do anel oxirano conseguir estabelecer ligações de hidrogénio com algum aminoácido do local ativo da enzima. De acordo com dados anteriores, sabe-se que a enzima poderá ter uma bolsa hidrofóbica, com um volume limitado, mas que poderá acomodar substituintes pouco volumosos localizados nas posições C-6 e C-7 dos esteróides. Recentemente, também se observou que a enzima tem um canal de acesso que permite a entrada dos esteróides e que poderá acomodar cadeias laterais na posição C-6 destes compostos. Para além disso, outros trabalhos revelaram que a atividade inibitória é semelhante quando o mesmo tipo de substituinte está na posição C-6 ou na C-7. Desta forma, sintetizámos novos derivados 6α-metilo e 7α-alilo da androstenodiona que revelaram ser potentes inibidores da aromatase. Estudos anteriores mostraram a importância do grupo carbonilo em C-17 no anel D esteróide como característica estrutural requerida para atingir atividade inibitória máxima. Deste modo, e de forma a estabelecer novas relações estrutura-atividade, substituímos o grupo carbonilo em C-17 pelo grupo hidroxilo, acetilo e também pelo isóstero tionilo. Em quase todos os compostos preparados, os que contêm o grupo carbonilo revelaram ser inibidores mais potentes. Estivemos também interessados em preparar e estudar alguns derivados dos dois fármacos usados/em uso na clínica para o tratamento do cancro de mama, o formestano e o exemestano. Os derivados C-4 acetoxilo e acetisaliciloxilo do formestano foram sintetizados e avaliados. Ficou evidente que substituintes nesta posição diminuem a atividade inibitória. Relativamente aos epoxi-derivados do exemestano, que são potenciais metabolitos, estes mostraram ser potentes inibidores. A actividade dos inibidores da aromatase mais potentes avaliados nos microssomas da placenta foi também testada em células MCF-7aro sendo que alguns deles revelaram inibir a viabilidade e proliferação celulares de uma forma ainda mais eficiente que o exemestano. Alguns destes compostos foram ainda estudados nas linhas celulares SK-BR-3 e LTEDaro. Relativamente ao cancro de próstata, este depende de androgénios para o seu desenvolvimento e progressão. Outra doença que também partilha destas características é a hiperplasia benigna da próstata. Em ambas as situações é sempre observada uma atividade anormalmente elevada da enzima 5α-reductase, enzima responsável pela conversão da testosterona na di-hidrotestosterona, o principal androgénio implicado na diferenciação e crescimento da próstata. Assim, a inibição da 5α-reductase surge como uma forma lógica de promover o tratamento destas situações. Apesar das moléculas que existem atualmente em uso clínico serem potentes, elas apresentam algumas desvantagens, como a perda de massa óssea e de massa muscular e impotência. Além disso, quando eles são usados de uma forma profilática podem causar cancro de próstata de elevado grau. Nesta tese fizemos o design e sintetizámos esteróides com a função 3-ceto-Δ4 do anel A do esteróide combinada com funções carboxamida, carboxiéster e ácido carboxílico na posição C-17β do anel D. Na base deste design estão os compostos finasteride e dutasteride, dois inibidores potentes e irreversíveis da 5α-reductase usados na terapêutica. Assim, procurou-se reunir na mesma molécula, o anel A que existe na testosterona, o substrato natural da enzima, com os substituintes presentes em C-17β dos referidos fármacos. Os resultados obtidos sugerem que as amidas lipofílicas favorecem a inibição da enzima, sendo que o composto com o grupo N-terc-butilcarboxamida em C-17β constitui o melhor inibidor. As cumarinas constituem outro grupo de compostos que podem assemelhar-se quimicamente aos esteróides, na inibição da aromatase. Assim, também sintetizámos novos derivados 3-tiofenil da cumarina, de forma a abrir um novo caminho para a síntese e a avaliação desta classe de compostos como inibidores da aromatase. Alguns resultados preliminares relacionados com a sua síntese são apresentados nesta tese.
URI: http://hdl.handle.net/10316/23921
Rights: openAccess
Appears in Collections:FFUC- Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat
TESE_FINAL_Carla Lopes Varela.pdfDocumento final11.76 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 50

476
checked on Aug 12, 2020

Download(s) 10

2,191
checked on Aug 12, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.