Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/22663
Title: Células estaminais do cancro do endométrico
Authors: Santos, Daniela Nobre Sarmento dos 
Orientador: Botelho, Maria Filomena
Keywords: Cancro do endométrio; Células estaminais - propriedades
Issue Date: 2012
Citation: Santos, Daniela Nobre Sarmento dos - Células estaminais do cancro do endométrio. Coimbra : [s.n.], 2012. Dissertação de mestrado. Disponível na WWW: http://hdl.handle.net/10316/22663
Abstract: O cancro do endométrio é uma das patologias malignas mais comuns no mundo sendo a sétima causa de morte no sexo feminino na Europa Ocidental. A existência de populações celulares com propriedades de células estaminais que são resistentes às terapias convencionais, como por exemplo a quimioterapia, representam um problema para a cura deste tipo de cancro. O objectivo deste estudo foi isolar e identificar células com propriedades de células estaminais do cancro do endométrio, avaliar a sua importância na resposta à quimioterapia, no metabolismo glicolítico tumoral e potencial replicativo com 18F-FDG e 18F-FCHO, respectivamente, e finalmente determinar o seu comportamento in vivo. Neste trabalho submeteu-se a linha de adenocarcinoma do endométrio ECC-1 ao protocolo de formação de esferas. Tendo sido, posteriormente, o seu fenótipo caracterizado por citometria de fluxo e confirmando o seu potencial tumorigénico in vivo. A citotoxicidade da carboplatina, da ciclofosfamida, do paclitaxel e da doxorrubicina foram avaliadas, bem como a expressão da proteína p53 por western blot. Realizaram-se ainda estudos de captação com 18F-FDG e 18F-FCHO. Desenvolveu-se um modelo animal ortotópico, em que se injectaram células ECC-1 e ECC-1-G3 na trompa de Ratos RNU’s com aproximadamente 10 semanas de vida. A linha celular estudada forma esferas e as células ECC-1-G3 têm potencial tumorigénico, assim como a linha basal, ECC-1. Relativamente ao fenótipo avaliado por citometria de fluxo pode dizer-se que o fenótipo descrito na literatura como identificador destas células, CD44+/CD24-, nem sempre se verifica havendo uma propensão para ambos serem positivos. Nos estudos de citotoxicidade, verificou-se uma resposta diferencial entre os vários fármacos testados na linha ECC-1. A doxorrubicina foi o único fármaco testado nas linhas ECC-1, ECC-1-G3 e ECC-1-ES3 e a resposta a este nas 3 populações celulares apresenta diferenças interessantes, principalmente às 72 horas. A expressão de p53 mostrou-se diferencial para as XII populações celulares ECC-1, ECC-1-ES3 e ECC-1-G3, sendo maior em G3 e menor em ES3. O metabolismo glicolítico foi avaliado nestas células tendo-se verificado baixos coeficientes de captação. Já os estudos de captação efectuados com 18F-FCHO, ainda que preliminares, revelam uma maior predominância nas células ECC-1-G3. No que respeita ao modelo animal, verificou-se que o modelo proposto, ainda que preliminar, funciona, tendo-se obtido tumor no endométrio com alguma invasão pélvica e do peritoneu. Para os dois modelos in vivo, analisaram-se ainda as células tumorais por citometria de fluxo, tendo em vista verificar a presença de marcadores descritos como stem, e verificou-se uma maior positividade para os tumores de ECC-1-G3 em relação aos de ECC-1. Este projecto visou comparar a linha basal, ECC-1, com as populações de esferas que dela provêm, tendo-se provado uma resposta diferencial in vitro e in vivo. Considera-se que os resultados obtidos conduzem ao início de uma linha de investigação que poderá ter bastante impacto num futuro próximo na melhor avaliação do prognóstico e na definição de protocolos tratamento do cancro do endométrio mais orientados em termos de expressão molecular
URI: http://hdl.handle.net/10316/22663
Rights: openAccess
Appears in Collections:FCTUC Física - Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Tese_Endométrio.pdf2.62 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 50

347
checked on Sep 16, 2021

Download(s) 50

326
checked on Sep 16, 2021

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.