Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/20681
Title: Neurocognição e infecção por VIH: Implicações para a adesão à terapêutica, qualidade de vida e saúde mental
Other Titles: Neurocognition and HIV infection: Implications for adherence to treatments, quality of life and mental health
Authors: Margalho, Renata 
Mendonça, Nuno 
Pereira, Marco 
Keywords: Neurocognição; Qualidade de vida; Saúde mental; VIH/SIDA; Neurocognition; Quality of life; Mental Health; VIH/AIDS
Issue Date: May-2011
Publisher: Sociedade Portuguesa de Neurologia
Citation: MARGALHO, Renata; MENDONÇA, Nuno; PEREIRA, Marco - Neurocognição e infecção por VIH: Implicações para a adesão à terapêutica, qualidade de vida e saúde mental. "Sinapse". ISSN 1645-281X. 11:1 (2011) 51-57
Serial title, monograph or event: Sinapse
Volume: 11
Issue: 1
Abstract: O Vírus da Imunodeficiência Humana Adquirida (VIH), sendo um agente infeccioso, tem implicações sistémicas com consequências no funcionamento global do indivíduo. Neste contexto, os aspectos neurocognitivos tornam-se fundamentais devido à sua relação com adesão, qualidade de vida e saúde mental. Com efeito, quanto maior a conservação neurocognitiva maior a probabilidade de adesão à terapêutica, bem-estar físico e emocional. No âmbito da infecção por VIH, temos vindo a assistir a uma alteração epidemiológica das perturbações cognitivas, passando de uma prevalência da demência para a perturbação cognitiva ligeira a moderada. O desempenho neurocognitivo tem um padrão específico sendo influenciado por diversos factores relativos ao vírus, ao hospedeiro, bem como a aspectos dos planos comportamental e social. Ainda que não consensual a relação entre tratamento antiretroviral, adesão e neurocognição vários estudos têm demonstrado a influência positiva entre adesão à HAART e melhoria da neurocognição. Neste sentido, contribuindo para a integridade neurocognitiva consequentemente contribuímos para saúde mental e qualidade de vida dos doentes infectados por VIH.
The Human Immunodeficiency Virus (HIV), being an infectious agent, has systemic implications, with consequences on the overall functioning of the individual. In this context, neurocognitive aspects become crucial because of its relationship with adherence, quality of life and mental health. Indeed, the greater likelihood of adherence to therapy and better physical and emotional well-being is associated with higher neurocognitive conservation. In the context of HIV infection, we have been witnessing several changes in the epidemiology of cognitive impairment, from a prevalence of dementia for mild to moderate cognitive impairment. The neurocognitive performance has a specific pattern, being influenced by several factors relating to the virus, the host, as well as behavioral and social features. Although there is no consensus on the relationship between antiretroviral treatment, adherence and neurocognition, several studies have showed the positive influence between HAART adherence and improved neurocognition. In this sense, contributing to the neurocognitive integrity, will consequently contribute to mental health and quality of life of HIV-infected patients.
URI: http://hdl.handle.net/10316/20681
ISSN: 1645-281X
Rights: openAccess
Appears in Collections:FPCEUC - Artigos em Revistas Nacionais
I&D CINEICC - Artigos em Revistas Nacionais

Files in This Item:
File Description SizeFormat
2011 Neurocognição e infecção por VIH.pdf72.85 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 10

669
checked on Jul 8, 2020

Download(s)

121
checked on Jul 8, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.