Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/18756
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorSantos, Amândio-
dc.contributor.advisorRibeiro, Carlos Alberto Fontes-
dc.contributor.authorCorreia, Carla Sofia Abrantes-
dc.date.accessioned2012-03-19T12:20:53Z-
dc.date.available2012-03-19T12:20:53Z-
dc.date.issued2004-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10316/18756-
dc.descriptionDissertação de licenciatura apresentada à Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Físicapor
dc.description.abstractO presente trabalho tem como objectivo principal verificar se a carga óptima através da qual se obtém o valor máximo da potência anaeróbia (PAnM), por meio do teste Força-Velocidade (F-V), será também a carga óptima para se alcançar o valor máximo da capacidade anaeróbia no Teste Wingate. Deste modo, analisaram-se as variáveis potência anaeróbia máxima óptima (OPP) e respectiva carga óptima no teste F-V; potência anaeróbia máxima, capacidade anaeróbia, trabalho total e índice de fadiga no teste de Wingate, efectuado contra cinco resistências diferentes. A amostra, constituída por 19 sujeitos, com uma média de 21,33 anos, todos eles alunos do segundo ano do Curso de Ciências do Desporto e Educação Física da Universidade de Coimbra, realizou o teste F-V com o intuito de se determinar a carga óptima de cada sujeito, o valor da potência anaeróbia máxima óptima alcançado, bem como o valor óptimo de velocidade em rotações por minuto. Posteriormente, foram realizados cinco testes de Wingate com cinco cargas diferentes, com um intervalo de aproximadamente 48h entre eles. A escolha das cargas recaiu no valor proposto como sendo a carga adequada para a realização do teste de Wingate, ou seja 0,075 Kg.kg-1 da massa corporal (Inbar, Bar-Or & Skinner, 1996), a carga óptima para a potência anaeróbia máxima óptima obtida através do teste F-V e mais três cargas. Assim, as cargas utilizadas foram de 0,075; 0,090; 0,105 e 0,120 Kg.kg-1 da MC, mais a carga óptima de cada sujeito. Os resultados obtidos demonstraram que os valores médios da carga óptima para a obtenção da PAnM óptima, calculada através do teste F-V, são superiores (0,109 Kg.kg-1 da MC) aos valores da carga estandardizada (0,075 Kg.kg-1 da MC) utilizada no teste de Wingate. Assim, a utilização da massa corporal como indicador para a determinação da carga aplicada durante o teste WAnT, parece-nos que não é a forma mais indicada, uma vez que existem diferenças altamente significativas entre a carga estandardizada e a carga óptima obtida no teste F-V. De igual modo, os valores médios da PAnM obtidos no WAnT com a carga óptima, foram significativamente superiores à carga estandardizada (919,42±132,90 W vs 835,16±125,85 W), assim como para a capacidade anaeróbia (685,25±82,17 W vs 653,48±89,06 W). Relativamente aos valores da PAnM calculada através do teste F-V e do WAnT com carga óptima, estes não apresentaram diferenças significativas, sugerindo assim, que ambos os testes predizem correctamente esta variável, desde que se utilize no WAnT a carga óptima, previamente determinada através do teste F-V. Estes resultados sugerem a importância e necessidade de se aplicar a carga óptima a cada sujeito, em detrimento da aplicação de uma carga estandardizada para diferentes sujeitos, de modo a proporcionar uma avaliação mais individualizada e por isso mais correcta, do desempenho anaeróbio, por meio do teste de Wingate. Um dos procedimentos a adoptar será eventualmente a utilização da carga óptima obtida pelo teste F-V, já que é com esta que se alcança os maiores valores da PAnM e da capacidade anaeróbia. Assim, contrariamente ao que se diz, a carga óptima para a PAnM também parece ser a carga óptima para a capacidade anaeróbia.por
dc.language.isoporpor
dc.rightsopenAccesspor
dc.subjectTeste de Wingatepor
dc.subjectBateria de testespor
dc.subjectVias Anaeróbiaspor
dc.titleAspectos metodológicos relacionados com a avaliação da potência e capacidade anaeróbiapor
dc.typebachelorThesispor
dc.peerreviewedYespor
uc.controloAutoridadeSim-
item.fulltextCom Texto completo-
item.languageiso639-1pt-
item.grantfulltextopen-
crisitem.advisor.deptFaculdade de Ciências do Desporto e Educação Física, Universidade de Coimbra-
crisitem.advisor.deptFaculdade de Medicina, Universidade de Coimbra-
crisitem.advisor.researchunitCIDAF - Research Unit for Sport and Physical Activity/University of Coimbra-
crisitem.advisor.researchunitCNC.IBILI-
crisitem.advisor.orcid0000-0003-1033-6985-
crisitem.advisor.orcid0000-0002-9707-4895-
Appears in Collections:FCDEF - Vários
Files in This Item:
File Description SizeFormat
Monografia.pdf1.61 MBAdobe PDFView/Open
Show simple item record

Page view(s)

195
checked on Aug 6, 2020

Download(s) 20

725
checked on Aug 6, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.