Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/18520
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorCunha-Oliveira, Teresa-
dc.contributor.authorRego, A Cristina-
dc.contributor.authorMorgadinho, M Teresa-
dc.contributor.authorMacedo, Tice R-
dc.contributor.authorOliveira, Catarina R-
dc.date.accessioned2012-03-09T15:02:26Z-
dc.date.available2012-03-09T15:02:26Z-
dc.date.issued2012-03-09-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10316/18520-
dc.description.abstractO consumo repetido de drogas, nomeadamente opióides, conduz ao desenvolvimento de dependência. Entre os mecanismos envolvidos neste processo, comuns à maioria das drogas de abuso, destaca-se a activação da neurotransmissão dopaminérgica em zonas específicas do cérebro. O metabolismo oxidativo da dopamina confere-lhe um potencial neurotóxico devido à formação de espécies reactivas de oxigénio, nomeadamente peróxido de hidrogénio (H2O2). Neste trabalho avaliou-se o efeito da exposição crónica de células PC12 à “heroína de rua” ou ao H2O2 na resposta destas células a uma exposição aguda a estes compostos, em comparação com células PC12 “naïve” (sem exposição prévia aos compostos). As células cronicamente expostas à heroína ou ao H2O2 apresentaram-se parcial ou totalmente resistentes, respectivamente, a uma exposição aguda ao H2O2. Este efeito correlacionou-se com a manutenção dos níveis de ATP após exposição aguda ao H2O2, em contraste com as células “naïve”. Para além disso, observou-se que a viabilidade das células cronicamente expostas à heroína e ao H2O2 era mais afectada pela heroína, comparativamente às células “naïve”. Esta sensibilização poderá ser explicada pelo aumento da acumulação extracelular de dopamina, induzida por estes compostos. Por outro lado, a exposição aguda à heroína de células já cronicamente expostas a esta droga de abuso induziu uma maior susceptibilidade comparativamente a células cronicamente expostas ao H2O2. Esta observação poderá ser explicada por um decréscimo dos níveis intracelulares de ATP e ADP induzido pela incubação crónica com “heroína de rua”, o que indicia um compromisso energético destas células. Em resumo, a exposição crónica à “heroína de rua” altera os níveis energéticos celulares, os níveis extracelulares de dopamina e a resposta a estímulos citotóxicos, evidenciando-se o papel nocivo do consumo regular desta droga por toxicodependentes.por
dc.language.isoporpor
dc.relation.ispartofseriesVpor
dc.rightsopenAccesspor
dc.titleEfeito crónico da heroína e do peróxido de hidrogénio em células PC12por
dc.title.alternativeChronic effect of heroin and hydrogen peroxide in PC12 cellspor
dc.typearticlepor
degois.publication.firstPage21por
degois.publication.lastPage29por
degois.publication.titleCoimbre Médicapor
dc.peerreviewedYespor
degois.publication.volume2por
item.languageiso639-1pt-
item.fulltextCom Texto completo-
item.grantfulltextopen-
crisitem.author.deptCNC.IBILI-
crisitem.author.orcid0000-0002-7382-0339-
Appears in Collections:I&D CNC - Artigos em Revistas Nacionais
Files in This Item:
File Description SizeFormat
Cunha-Oliveira et al. - 2006 - Coimbra Médica V série(4).pdf3.92 MBAdobe PDFView/Open
Show simple item record

Page view(s) 50

496
checked on Sep 24, 2020

Download(s) 5

3,143
checked on Sep 24, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.