Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/14780
Title: A obsessão do diagnóstico? Fronteiras da interpretação paleopatológica a propósito de um estudo de caso da Colecção de Esqueletos Identificados do Museu Bocage (Museu Nacional de História Natural, Lisboa)
Authors: Matos, Vítor 
Keywords: Paleopatologia; Antropologia biológica; Clavícula; Fractura; Autópsia; Diagnóstico diferencial; Diagnóstico retrospectivo
Issue Date: 2008
Abstract: Um dos desafios inerentes à interpretação paleopatológica radica na distinção entre o carácter normal e o patológico de determinadas alterações ósseas. Esta dicotomia nem sempre é linear e, frequentemente, dificulta ou impossibilita um diagnóstico retrospectivo concreto. O presente trabalho tem por objectivo exemplificar a fluidez da fronteira da interpretação paleopatológica, através do estudo de um esqueleto pertencente à Colecção de Esqueletos Identificados do Museu Bocage (Lisboa, Portugal). Este terá pertencido a uma mulher, doméstica, que em 1916, aos 35 anos, faleceu de tuberculose pulmonar. Das alterações macroscópicas observadas, destaca-se a presença de um canal no terço distal da clavícula esquerda com espessamento da metade acromial e bifurcação cortical do terço lateral balizada pela região do tubérculo conóide. O exame radiográfico confirmou a existência de uma zona de menor densidade na área descrita, não tendo revelado, no entanto, evidências de linha de fractura. Várias hipóteses etiológicas são discutidas assumindo-se como mais plausíveis: 1) fractura mal consolidada (intra-uterina, obstétrica ou ocorrida em tenra idade), cuja subsequente remodelação envolveu o encapsulamento das estruturas nervosas e venosas adjacentes, formando-se um canal circundado por tecido cartilagíneo; 2) bifurcação unilateral incompleta da clavícula. Neste estudo de caso, tal como em muitos outros, foi impossível efectuar um diagnóstico retrospectivo concreto. No entanto, e apesar das dificuldades e dos limites da interpretação paleopatológica, a análise de esqueletos humanos pretéritos é, com frequência, dominada por uma obsessão do diagnóstico, em detrimento, quer de descrições pormenorizadas, quer da exploração exaustiva das hipóteses etiológicas adscritas ao diagnóstico diferencial das alterações observadas.
URI: http://hdl.handle.net/10316/14780
ISSN: 0870-0990
Rights: openAccess
Appears in Collections:I&D CIAS - Artigos em Revistas Nacionais
FCTUC Ciências da Vida - Artigos em Revistas Nacionais

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
AP24.25.06_Matos.pdf428.15 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

129
checked on May 14, 2019

Download(s)

37
checked on May 14, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.