Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/13614
Title: A medição de preferências em saúde na população portuguesa
Authors: Ferreira, Pedro Lopes 
Ferreira, Lara de Noronha e 
Keywords: Medidas de saúde baseadas em preferências; Qualidade de vida; SF-6D
Issue Date: 2006
Publisher: Escola Nacional de Saúde Pública
Citation: Revista Portuguesa de Saúde Pública. 24:2 (2009) 5-14
Serial title, monograph or event: Revista Portuguesa de Saúde Pública
Issue: 2
Place of publication or event: Lisboa
Abstract: Introdução: um tema estudado pelos investigadores da economia da saúde é a medição da qualidade de vida relacionada com a saúde, em especial captando as preferências dos indivíduos em relação a determinados resultados em saúde. Este tipo de medição permite a sua incorporação em modelos de decisão clínica, de planeamento e de políticas de saúde. Nos últimos anos, têm sido desenvolvidos instrumentos genéricos de avaliação dos estados de saúde baseados na teoria multi-atributo de utilidade, fáceis de aplicar e que permitem o cálculo dos valores de utilidade que os indivíduos atribuem aos estados de saúde, como os questionários EuroQol (EQ-5D), Health Utilities Index (HUI) e o SF-6D. Métodos: com base numa amostra aleatória da população activa portuguesa residente no continente e formada por 2459 indivíduos, obteve-se a preferência dos portugueses em relação ao seu estado de saúde e qualidade de vida e calcularam-se os respectivos valores normais para Portugal continental. Foi utilizada a versão portuguesa do instrumento de medição SF-6D e o algoritmo econométrico desenvolvido por Brazier, para a geração de valores de utilidade, para os diversos estados de saúde. Resultados: o valor médio da utilidade obtido pelo SF-6D para toda a população foi 0,697, variando de 0,30 a 1,00 e associado a um desvio padrão de 0,143. Níveis mais elevados de défice foram encontrados nas dimensões «desempenho », «dor», «saúde mental» e «vitalidade». Valores mais baixos de utilidade foram apresentados pelas mulheres e pelos idosos. Os indivíduos com níveis mais baixos de instrução, a viver em áreas rurais, trabalhadores manuais e os viúvos, divorciados e separados apresentaram, em geral, também valores mais baixos de utilidade. Em relação às doenças crónicas, a utilidade média variou de 0,56 para os enfartes do miocárdio a 0,66 correspondente à hepatite. Conclusão: deste estudo conclui-se que o instrumento de medição SF-6D é útil e efectivo na medição da qualidade de vida relacionada com a saúde na comunidade. As normas portuguesas são úteis para contextualizar os valores obtidos pelo SF-6D, sempre que aplicado a doentes ou mesmo a indivíduos portugueses saudáveis.
URI: http://hdl.handle.net/10316/13614
ISSN: 0870-9025
Rights: openAccess
Appears in Collections:FEUC- Artigos em Revistas Nacionais

Files in This Item:
File Description SizeFormat
A medição de preferências em saúde.pdf75.32 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 50

327
checked on Nov 19, 2019

Download(s) 50

225
checked on Nov 19, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.